ESPECIALISTA EM COMMODITIES
DESDE 1989

Atendimento

33 3331 1000

33 99977-1002

CHARBEL NEWS

Soja

Soja : Tendência de alta com firme demanda

05/03/2018 - 8h58

Mercado da soja segue em alta, por conta dos fundamentos : quebra safra Argentina ; boa demanda interna e externa ;prêmios nos portos brasileiros ;bolsa de Chicago acima de US$ 10,50/bushel .

Uma Ótima semana ! 

Charbel Felipe Silva

Tendência de alta com a firme demanda pela soja

A tendência é de alta dos preços no mercado brasileiro, com futuros acima de US$ 10,50/bushel para todos vencimentos de 2018 em Chicago. Com fortes quebras na safra da Argentina, demanda externa e interna fortes e prêmios positivos nos portos brasileiros mesmo com a colheita, os preços da soja em grãos estão em alta em 2018. Os embarques brasileiros de farelo e de óleo de soja estão em forte ritmo neste ano. Segundo dados da Secretaria de Comércio Exterior (Secex), em fevereiro, o volume de exportação desses derivados foi recorde para o mês. A maior demanda externa por farelo e por óleo está atrelada à redução no processamento de indústrias da Argentina, principal exportador mundial destes derivados. Para as próximas semanas, a demanda internacional pelos produtos brasileiros pode seguir firme. Isso porque a expectativa é de queda na oferta da Argentina, devido ao clima desfavorável no período de cultivo da soja.

 

Segundo dados divulgados na quinta-feira (1º/02) pela Bolsa de Cereais de Buenos Aires, a produção da Argentina está estimada em 44 milhões de toneladas, o que seria a menor desde a safra 2011/2012. Com exceção do norte do país, o avanço da colheita da soja evidencia a forte redução na produtividade, que está ficando abaixo das médias históricas. Este cenário atraiu importadores para o Brasil e para os Estados Unidos, inclusive com efetivações de contratos a termos, para entrega entre abril e junho. Em fevereiro, o Brasil embarcou 1,35 milhão de toneladas de farelo de soja, 20,1% acima do exportado em janeiro e 90,5% maior que o volume de fevereiro de 2017. Considerando-se o dólar de R$ 3,24 em fevereiro, a receita média pelas vendas externas do farelo de soja foi de R$ 1.152,57 por tonelada, 2,5% acima do recebido no mês anterior e 9,9% a mais que no mesmo período do ano passado. De óleo de soja, o Brasil enviou 125,6 mil toneladas ao exterior, mais que o dobro do volume exportado em janeiro e 66,3% maior que o volume de fevereiro/2017.

 

As exportações de soja em grão, por sua vez, também estão crescentes. O Brasil embarcou 2,86 milhões de toneladas em fevereiro, o maior volume desde setembro/2017 e 83,2% maior que o embarcado em janeiro/2018. Entretanto, em fevereiro, os embarques foram 18,4% inferiores aos do mesmo mês de 2017. Enquanto a demanda está aquecida, a colheita brasileira está em ritmo lento, devido ao solo úmido, que vem interrompendo os trabalhos de campo, especialmente nas Regiões Sudeste e Centro-Oeste do País. Ainda assim, no geral, a expectativa é de safra volumosa no Brasil na atual temporada. Já a colheita de soja ganhou ritmo nas Regiões Norte e Nordeste nos últimos sete dias, favorecida pelo clima. No Rio Grande do Sul, a manutenção da umidade no solo nas áreas ao norte do Estado contribuiu para que as lavouras apresentassem bom potencial produtivo. Nessa parte do Estado, 74% da cultura está em estágio de enchimento de grãos.

 

Diante da firme demanda e baixa oferta, os produtores se retraíram das vendas de grandes lotes, resultando em altos preços. Nos últimos sete dias, o Indicador da soja Paranaguá ESALQ/BM&F, referente ao grão depositado no corredor de exportação e negociado na modalidade spot (pronta entrega), no Porto de Paranaguá, apresenta alta de 2,7%, cotado a R$ 78,82 por saca de 60 Kg. A média ponderada da soja no Paraná, refletida no Indicador CEPEA/ESALQ registra avanço de 2,1% nos últimos sete dias, a R$ 72,79 por saca de 60 Kg. Na média de fevereiro, o Indicador ESALQ/BM&F da soja Paranaguá (PR) subiu 4,0% frente ao mês anterior e o Indicador CEPEA/ESALQ Paraná, 3,0%. Nos últimos sete dias, as cotações da oleaginosa registram alta de 2,3% no mercado de balcão (preço pago ao produtor) e de 1,4% no mercado de lotes (negociações entre empresas).

 

Considerando-se as médias de janeiro e de fevereiro, a alta foi de 3,3% no mercado de balcão e de 2,3% no de lotes. Em relação aos derivados, os preços de farelo de soja registram alta de 2% nos últimos sete dias. Na média de fevereiro, a alta foi de 9,1%. Para o óleo de soja (posto em São Paulo com 12% de ICMS), por outro lado, o preço apresenta queda de 1,3% no mesmo período, a R$ 2.693,41 por tonelada. A queda mensal é de 0,3%. Na Bolsa de Chicago, o primeiro vencimento da soja (Março/2018) registra avanço de 2,5% nos últimos sete dias, a US$ 10,57 por bushel. No mesmo comparativo, o contrato Março/2018 do farelo de soja registra aumento de 4,5%, indo para US$ 434,31 por tonelada. Em relação ao óleo de soja, o contrato de mesmo vencimento apresenta avanço de 0,2%, a US$ 708,12 por tonelada. Na média de fevereiro, o vencimento Março/2018 do grão registra alta de 4,0% e o do farelo de soja, 10,5%. O óleo de soja se desvalorizou 2,4% no período. Fontes: Cepea e Carlos Cogo Consultoria Agroeconômica.