ESPECIALISTA EM COMMODITIES
DESDE 1989

Atendimento

33 3331 1000

33 99977-1002

CHARBEL NEWS

Açucar

Preços do açúcar estáveis, mas os fundamentos são positivos

08/10/2018 - 22h11

Preços do açúcar estáveis, mas os fundamentos são positivos, com a oferta diminuindo gradativamente em função da menor disponibilidade de cristal, acredito em preços melhores nesse final de 2018, inicio de 2019. Charbel Felipe Silva.

Açúcar: preços estão em tendência de recuperação

Em São Paulo, o preço médio do açúcar cristal negociado no mercado spot esteve enfraquecido no início da primeira semana de outubro, mas mostrou reação no final do período. No dia 1º de outubro, o Indicador CEPEA/ESALQ, cor Icumsa 150 a 180, em São Paulo, era negociado na faixa R$ 61,00 por saca de 50 Kg, mas voltou para faixa dos R$ 63,00 por saca de 50 Kg no final do período. De maneira geral, a movimentação está calma no spot, com as negociações envolvendo maiores quantidade do cristal apenas em casos pontuais. Muitas usinas retiraram suas ofertas do mercado, devido à alta nos preços externos do demerara ao longo dos últimos sete dias e também por estarem com os estoques de açúcar comprometidos. A busca pelo cristal para pronta entrega também não está muito elevada. Assim, nos últimos sete dias, o Indicador CEPEA/ESALQ registra alta de 0,77%, cotado a R$ 63,11 por saca de 50 Kg. Até o final deste mês, um pouco menos de 1/3 das usinas já terão finalizado a moagem da cana-de-açúcar desta temporada 2018/2019.

 

Algumas unidades, inclusive, devem aumentar ainda mais o mix de produção, direcionando os lotes de cana-de-açúcar restantes para o etanol em detrimento do açúcar. Os atuais preços do cristal, mesmo que tenham se recuperado no último mês, não têm dado lucro, segundo algumas usinas do estado de São Paulo. Os cenários nacional e internacional do setor devem definir as projeções para a próxima safra, sendo que algumas usinas pretendem diminuir ainda mais a produção de açúcar. Na Bolsa de Nova York, as cotações do açúcar demerara registram aumento nos últimos sete dias, com o contrato Março/2019 voltando à casa dos 12,00 centavos de dólar por libra-peso. A semana passada começou com elevação nos preços internacionais, influenciada por uma reação verificada em outras commodities, diante do novo tratado de comércio entre os Estados Unidos, México e Canadá. O aumento persistiu nos dias seguintes, passando a ser relacionado, no entanto, a um movimento de retração nas exportações brasileiras, em decorrência do enfraquecimento do dólar.

 

A tendência crescente nos preços do petróleo também tem dado sustentação aos valores internacionais de açúcar. As expectativas são de que as sanções impostas pelos Estados Unidos contra o Irã, que devem entrar em vigor a partir do dia 4 de novembro, mantenham as reservas de óleo restritas e as cotações de petróleo, em alta no mercado mundial. Há uma indefinição quanto ao cenário das exportações de açúcar pela Índia, embora o país já tenha aprovado níveis de subsídios superiores aos que eram esperados pelos produtores e exportadores. A Austrália entrou com questionamento junto à Organização Mundial do Comércio (OMC), quanto à validade das medidas de apoio aprovadas pelo governo da Índia no âmbito dos acordos da instituição. O questionamento foi apoiado pelo Brasil e pela Tailândia.  Fonte: Cepea. Adaptado por Cogo Inteligência em Agronegócio.